As 6 armas de batalha espiritual para aprender e usar.

Batalhar é algo que começamos logo ao nascer, ser o primeiro de milhares. O nosso nascer é uma batalha. Aprenda como enfrentar seu dia a dia com as armas da batalha espiritual que a Bíblia nos ensina. As 6 armas de batalha espiritual para aprender e usar.

A caminhada no crescimento e o conhecer de uma vida em meio uma sociedade atarefada e cheia de fardos faz com que as lutas entendidas como batalhar traçadas sejam obstáculos diários na vida de qualquer ser humano. Mas muito não têm o entendimento que batalhas são travadas no “mundo espiritual”.

Estratégias podem ser desenvolvidas na nossas vidas para que “tudo que ligarmos na terra, seja ligado nos céus”. Vamos entender um pouco sobre as armas das batalhas.

As batalhas e suas armas

1.O imperativo da batalha 

“Portanto, tomai toda a armadura de Deus”. O apóstolo ordena a posse dessas armas com um imperativo: TOMAI. Ele não ordenou que se fizessem armas, mas que se tomassem as armas existentes. Não há o que nos possa preocupar. As armas existem e estão à disposição dos remidos. As armas humanas são frágeis e impróprias para essa batalha espiritual.

2. A resistência no “dia mau” da batalha 

“… para que possais resistir no dia mau”. O “dia mau” não precisa ser especificamente um dia de 24 horas, mas pode represen­tar aquele dia, ou hora ou minuto em que somos surpreendidos com doenças, tentações, circunstâncias inesperadas etc. Para que possa­mos resistir nesse “dia mau”, precisamos estar alerta, tomando posse das armas espirituais que nos capacitam para a resistência.

“… e, havendo feito tudo, ficar firmes”. Depois de havermos superado as dificuldades e termos vestido toda a armadura de Deus, resta apenas estarmos em pé para o combate. Nossa armadura espiri­tual não é para ser exibida, mas para ser usada contra o inimigo.

Visto que o adversário é sagaz e cheio de malícia, o soldado de Cristo não pode descuidar-se: ele deve “estar firme”, isto é, estar em pé com o sentido de prontidão para qualquer eventualidade de ataque do inimi­go.

3. A designação das armas 

Notemos que Paulo inspirou-se nas armas militares de seu tempo, mui especialmente nas armas romanas. E claro que essas armas são uma figura das armas espirituais. São armas cujas peças formam um “todo” e envolvem “o corpo total”.

a) Armas defensivas para o corpo — “o cinto da verdade” e a “couraça da justiça” (v. 14).

b) Para os pés — “calçados… na preparação do evangelho” (v. 15).

c) Para as mãos — “o escudo da fé” (v. 16).

d) Para a cabeça — “o capacete da salvação” (v. 17).

e) Para a boca — “a espada do Espírito” (v. 17).

Quer receber estudos Vips primeiro que todo mundo? Preencha o campo abaixo e seja um Multiplicador de Conhecimento.

3.3.1. O cinto da verdade — v. 14

cinto-da-verdade-efesios

 

O texto literal é “cingidos com a verdade”. O cinto é a peça que cinge, isto é, que segura ou prende as roupas à cintura. Significa que todas as roupagens espirituais que usamos devem estar com a verdade. Usava-se no armamento romano um cinto para prender a couraça e o resto da roupa.

Esse cinto vinha cheio de pedras semipreciosas e era usado com muito orgulho pelo soldado. A finalidade do cinto era prender os pontos dos vesti­dos, deixando livres as pernas do soldado, que assim podia se movimentar.

3.3.2. A couraça da justiça 

A principal finalidade da couraça é defender, isto é, proteger o peito. A justiça deve permear a vida e os atos do lutador cristão. A justiça aqui se une com a verdade, e elas podem ser notadas frontalmente pelos inimigos (Is 59.17; 1 Ts 5.8). A “couraça” protege das setas mortais do inimigo. Na nossa luta espiritual, a “justiça e a verdade” andam de mãos dadas.

3.3.3. Calçados… na preparação do evangelho 

“… e calçados os pés na preparação do evangelho da paz”. Os calçados são importantes para os pés do lutador na guerra. Nos tempos romanos, em que Paulo se inspirou para fazer a analogia das armas, o soldado usava um tipo de sandália com cravos nas solas que ajudavam o soldado a não deslizar, dan­do-lhe segurança.

Portanto, a significação da expressão paulina para “calçados na preparação do evangelho da paz” tem a ver com a segurança da mensagem que pregamos. O Evangelho é poder — dunamis, no grego — contra as forças do mal.

A palavra “preparação” tem o sentido de prontidão. Os calça­dos deviam oferecer segurança e capacidade de prontidão em mo­mentos inesperados, isto é, prontidão sem riscos de quedas ou deslizamentos. Outro termo que se destaca no versículo é “evange­lho”, que significa boa novas, boas notícias ou mensagem.

O soldado calçado com o Evangelho exerce também o papel de mensageiro. Nessa batalha espiritual, nossos inimigos quererão arrancar nossos calçados para que não levemos a vitória do Evan­gelho da paz ao mundo perdido.

3.3.4. Escudo da fé 

escudo-da-fe-livro-de-efesios

 

“… tomando sobretudo o escudo da fé”. O escudo é a arma defensiva contra os ataques diretos do inimigo. O soldado pren­dia o escudo num dos braços. Esse escudo tinha a forma de um prato gigante, que servia para proteger todo o corpo. A fé diz respeito à nossa confiança e crença doutrinária. Um soldado cristão sem escudo é soldado vulnerável aos ataques satânicos. O conhecimento da Palavra de Deus forma o “corpo da fé”, ou seja, o escudo da fé que protege o crente contra as heresias e mentiras satânicas.

“… com o qual podereis apagar todos os dardos inflama­dos do maligno”. Que são esses dardos inflamados? Eram estopas embebidas em alguma substância inflamável, que eram acesas e lançadas em flechas contra o adversário. Havia naquele tempo escudos muito frágeis, feitos de madeira. Os inimigos lançavam esses “dardos inflamados” para queimar o escudo e tornar vulnerável o corpo do soldado para ser atin­gido.

No sentido espiritual, o diabo lança suas flechas com dardos inflamados de carnalidade e maldade para enfraque­cer o crente, mas nosso escudo deve ser o “escudo da fé”, que impede a destruição com fogo. Nossa fé deve ser a força incontestável que derrota o diabo. A fé aqui tem um sentido transcendental, não natural. A confiança em Deus deteriora ds poderes malignos.

3.3.5. O capacete da salvação 

“Tomai também o capacete da salvação”. No grego, a palavra ‘capacete” é perikephalaia. O capacete servia para proteger a cabeça. Nos tempos antigos, os capacetes eram feitos com figuras decoradas de animais ou carrancas para intimidar o adversário ou para representar o usuário do capacete.

O apóstolo usou a figura do capacete para representar a salvação. A cabeça é a parte mais vulnerável do corpo, por isso o lutador a protegia com um capacete. As figuras representativas usadas no capacete tinham o objetivo de mostrar a força e a inteligência do lutador. O crente, por sua vez, toma posse do “capacete” da salvação, que é a segurança máxima de sua vida, pois se a cabeça for atingida, ele corre o risco de perder a salvação.

3.3.6. A espada do Espírito 

espada-do-espirito-efesios

 

“… e a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus”. Havia dois tipos de espada usadas numa batalha. Uma era feita de várias formas e tamanhos, normalmente de bronze. No grego, esse tipo de espada chamava-se ziphos. O bronze pode representar a presença do Espírito Santo na vida do crente.

O outro tipo, no grego machaira, era um pouco mais curta que a ziphos e era usada pelos gladiadores. Quanto à dimensão da espada, o texto não se preocupa; preocupa-se antes com o seu manuseio. A espada era arma de ataque. O texto diz que a “espada do Espírito é a Palavra de Deus”.

A Palavra das Escrituras é a espada do Espírito contra o erro, contra a mentira e a presunção. Só essa espada pode vencer o diabo e o pecado. É uma arma ofensiva.

A Palavra pregada ou ensinada com autoridade é a espada do Espírito em ação. A nossa própria palavra é frágil, mas a Palavra de Deus é poderosa. G. H. Lacy, em seu Comentário da Carta aos Efésios, diz: “Os grandes triunfos dos evangelistas se devem ao fato de fazerem muito uso da Palavra de Deus em suas pregações.

Os que pregam filosofia ou sutilezas da lógica moderna podem convencer o intelecto, mas não movem o coração”. Portanto, é a Palavra de Deus a maior arma de defesa e ataque que o crente tem à sua disposição: (Hb 4.12; 2 Pe 1.21).

A espada de dois fios corta em dois sentidos. De um lado ela convence e converte; do outro, condena (SI 45.3,5). É uma espada que sai da boca de Cristo (Ap 1.16; 19.15). Com a espada nas mãos dos santos (Sl 149.6), o mundo será convencido do Evangelho pelo poder da Palavra de Deus — “a espada do Espírito” (2 Tm 3.16; Hb 3.7; 1 Pe 1.11).

Está gostando do estudo?

Tenho um e-book, inclusive você encontra aqui no Blog para adquirir, que escrevi somente com este tema e estas etapas que a Bíblia nos ensina.

Gostaria de receber um infográfico gratuito “As armas da batalha”? Preencha abaixo e faça seu download.


Deixe seu comentário abaixo.

O que você achou do artigo? Comente… e nos ajude a construir multiplicadores de conhecimento por todo os lugares.

Seu comentário é de extrema importância para nós.

Na barra lateral direita do Blog você pode se inscrever pelo seu e-mail e receber artigos Vip.

Te espero…

 

Cadu
Siga-me

Cadu

Nossos dias são cheios de desafios que, se aproveitados, transformam-se em oportunidades relevantes para obtermos resultados. Tecnólogo, Jurista, Teólogo e SEO do Multiplicador de Conhecimento.
Cadu
Siga-me
  • cadu rinaldi

    Olá!
    Deixe sua opinião sobre o artigo aqui!
    Um grande abraço.