Leitura de Livros Apócrifos

“No jargão comum a palavra "apócrifo" freqüentemente traz um sentido de "falso" ou "espúrio", mas em sua origem e em seu uso eclesiástico o significado é comple­tamente diferente. Ela tem o mesmo sentido da expressão hebraica "livros excluídos" e se refere àqueles livros que não foram inseridos no Cânon das Escrituras.

Etimologicamente, a palavra "apocrypha" (plural do grego apocryphon) designa coisas ocultas aos olhos, escondidas ou secretas. Tem-se sugerido que a razão por que os "livros excluídos" passaram a ser chama­dos de "(livros) ocultos" pode ser encontrada em certas referên­cias de II Esdras. Nesse livro, Esdras recebeu a ordem de rees­crever todos os livros sagrados de Israel que haviam sido destruídos. Vinte e quatro desses (os livros canónicos), ele teve que publicar, e setenta (os livros excluídos) ele teve que esconder. Esses livros "escondidos" ou "apócrifos", uma vez excluídos do Cânon, eram, contudo, de grande valor na tradição judaica representada por esse escritor.

Em seu uso mais moderno, porém, a palavra tem uma referência muito mais restrita. Entre os protestantes, ela é usada geralmente para descrever os livros que constavam nas Bíblias cristas grega e latina (isto é, a Septuaginta e a Vulgata), mas que não eram incluídos na Bíblia hebraica; aqui a palavra "pseudo-grafia" é freqüentemente usada para se referir aos demais "livros excluídos", de número indeterminado, que ficaram fora das Escrituras canónicas e dos "Apócrifos" e que, por um tempo considerável, foram amplamente lidos na igreja cristã primitiva oriental e em outros ramos. No uso católico romano, a palavra "deuterocanônico" é atribuída aos livros descritos pelos protes­tantes como "apócrifos" e a palavra "apócrifo" é atribuída aos livros conhecidos como "pseudografias". Quando, por questão de conveniência, deve-se fazer uma distinção, adota-se a termi­nologia protestante”.

fonte: Livro Entre o AT e o NT

Cadu
Siga-me

Cadu

Nossos dias são cheios de desafios que, se aproveitados, transformam-se em oportunidades relevantes para obtermos resultados. Tecnólogo, Jurista, Teólogo e SEO do Multiplicador de Conhecimento.
Cadu
Siga-me
  • Aceitamos todas as opiniões, mas tenho que ressaltar que de acordo com a Teologia Sistemática, vemos na Bibliologia que os livros canônicos
    são os mesmos, independente da editora que publica as versões bíblicas, a diferença está em algumas possuírem os chamados livros apócrifos.
    Então conclui-se que existe apenas uma bíblica, seja ela Judaica ou cristã, a compilação de todos os livros, como do AT e do NT formam As Sagradas Escrituras, e não várias bíblicas como define.

    Grato por seu comentário.

  • A verdade é que os judeus tem sua bíblia, o Antigo Testamento, os católicos, o Novo Testamento e os “evangélicos, não tem bíblia, usam as bíblias dessas duas grandes religiões, fundadas por Deus.

  • Para entender a importância dos livros apócrifos do antigo testamento na igreja primitiva visita… http://www.aigrejaprimitiva.com/dicionario/apocrifos.html

0 Compart.
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
+1