O Ministério de Ministro

Vamos partir de um princípio.

Deus criou o homem com qual finalidade? Gen. cap.1 Deus criou o Jardim do Éden com qual finalidade? Gen. cap.2 Deus estava na viração do dia no Jardim com qual finalidade? Gen. cap.2

A finalidade da criação do homem foi única. A de haver um relacionamento entre Criador e criação, ao ponto que, o Criador mantinha a criação, com: moradia, alimentação e segurança. Em troca disso tudo, a criatura deveria gerar um relacionamento, relacionamento este de Senhor e súdito, de Deus e discípulo, de Pai e Filho, De um Deus todo-poderoso e de uma criação que é sua imagem e semelhança, onde o adora em espírito e em verdade pelos seus feitos.

Deus criou o Jardim do Éden, para ser este local de adoração, para haver encontros com um relacionamento, pois quando adoramos o Criador, queremos a presença manifesta Dele em nosso meio, sendo Ele a chave primordial do ato. O jardim foi criado para esta dinâmica. Éden que no hebraico significa deleite, isto é, Deus havia criado o Jardim dos prazeres. Para que todo dia Ele fosse adorado por aqueles que Ele havia criado.

No livro do profeta Ezequiel, em seu capítulo 36, do verso 16 em diante, as Escrituras Sagradas fazem menção que, o Jardim do Éden cresceria conforme o homem fosse habitando a terra, dominando a expansão do Jardim. Enquanto o homem caminhava e adorava, o Jardim crescia, e crescia, e crescia.

Então entendemos assim que o homem foi criado para ADORAR A DEUS. A essência do homem é está, foi gerado para adorar o seu criador.

Ministerialmente falando, não importa se somos copeiros, diáconos, obreiros, músicos, temos a função de adorarmos a Deus. Fomos criados pra isso. Isso é algo natural.

Quero que você comece a entender seu papel de ministro de louvor e adoração.

Algo aconteceu neste ambiente criado por Deus. O pecador ocorreu. Não quero entrar em detalhes a respeito do acontecimento em si, mas entenda o ambiente criado para adoração por Deus estava quebrado. O homem pelo seu feito, seu livre-arbítrio quebrou o ato de relacionamento com Deus, o grande ato, onde a criação se encontrava com seu Criador em um sentido de adoração, presença manifesta do Deus vivo.

Para isso foi necessário, para que os homens conseguiram-se atrair os olhos de Deus novamente, deveriam ser realizados sacrifícios.

O primeiro sacrifico a Deus (Intercessão). (Gênesis 3:21) – E fez o SENHOR Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu. Vemos em seguida no Capítulo 4 de Gênesis Caim e Abel oferendo sacrifícios a Deus.

Houve uma forma do homem chegar até a Deus e chamar a sua atenção, isso ocorreu pelo intermédio dos sacrifícios, sendo o motivo disso tudo, o pecado. Depois vemos a figura de Noé, vemos Abrão, vemos os sacrifícios acontecendo, e Deus pela sua misericórdia aceitando as adorações e fazendo alianças com seu povo. Pois como havia sido gerado o pecado, para haver adoração deveria haver sacrifícios.

O tabernáculo e instituição da função sacerdotal.

Chegamos a Moisés, como uma figura do libertados, Deus ele dá um basta na forma como o homem estava se relacionado com ele, através da adoração e sacrifícios (intercessão).  Deus promove uma forma de orientar o povo a se relacionar com Ele. Deus cria o tabernáculo (Capítulo 24 ao 40 do livro de Êxodo), culminando no capítulo 40, quando se levanta o tabernáculo. Ele institui alguns afazeres para o povo, inclusive o de adoração e sacrifícios (intercessão).

Deus institui então o sacerdócio, tendo Arão como sumo-sacerdote do povo, seus auxiliares para os sacrifícios (intercessão) e para a adoração a Deus (sacerdotes levitas). Agora quero me aprofundar. O ministério de ministro.

Somos nos chamados a ministrar a Deus adoração, mas por causa do pecado temos que também interceder, co m gemidos inexprimíveis. Somos chamados a sermos sacerdotes.

“Pais ministeriais”. (Efésios 4:11) – E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores (mestre),

Vamos definir alguns princípios: Sacerdote: Pessoa que serve como mediador entre Deus e os outros. Em Israel, os sacerdotes trabalhavam junto com os levitas, administravam os sacrifícios e supervisionavam as festas, e tinham que ser descendentes de Aarão.(Êxodo 3:1). Sacerdócio: Ofício ou trabalho de SACERDOTE (Ez 44.13; Hb 7.5). Todos os cristãos são sacerdotes da nova ALIANÇA (1) (1Pe 2.5,9). (I Pedro 2:9) – Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;

Livro de Hebreus capítulo 3

Faz distinção entre o sacerdócio do AT e o do NT. Entre Moisés e Jesus. Pois o texto reflete em uma casa edificada por Jesus, e esta casa somos nós, agora somos nós que portamos a presença de Deus, e não mais o tabernáculo. Deus não habita mais em um lugar erguido pelas mãos do homem, hoje ele habita em um coração quebrantado e contrito.

Hoje de acordo com os acontecimentos que Jesus conquistou na cruz, exercemos um sacerdócio Santo, diferente do sacerdócio levítico da época de Moisés.

(Hebreus 7:11) – De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (porque sob ele o povo recebeu a lei), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão?

Vamos definir alguns princípios:

Jeus e a figuração de Melquesedeque.

Há uma relação entre Melquisedeque e Cristo. Melquisedeque é um tipo de Cristo, ou seja, alguém que o prefigurou e prenunciou; e Cristo é o antítipo de Melquisedeque, ou seja, alguém que realmente era o que foi prefigurado. Isto se dá nas seguintes particularidades. Cada um deles é sacerdote:

1) não segundo a ordem levítica;

2) tem superioridade sobre Abraão;

3) não se conhecendo o seu princípio e o seu fim;

Hoje exercemos ministerialmente este sacerdócio como ministros de louvor e adoração.

Possuindo algumas funções:

1- Intercessão (Hebreus 5:1) – PORQUE todo o sumo sacerdote, tomado dentre os homens, é constituído a favor dos homens nas coisas concernentes a Deus, para que ofereça dons e sacrifícios pelos pecados;

2- Adoração (I Pedro 2:5) – Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo.

<

p align=”justify”>Somos chamados a exercer este sacerdócio Santo.

Cadu
Siga-me

Cadu

Nossos dias são cheios de desafios que, se aproveitados, transformam-se em oportunidades relevantes para obtermos resultados. Tecnólogo, Jurista, Teólogo e SEO do Multiplicador de Conhecimento.
Cadu
Siga-me
0 Compart.
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
+1