Os mortos vêem a face de Deus

 

face de deus O caminho secreto que nos leva à Sua Presença. "Sei que está aqui em algum lugar, estou bem próximo. Deve haver um caminho para chegar até lá. Aqui está. Este caminho não parece muito agradável. É um caminho precário. Deixe-me ver como se chama… Arrependimento. Será que o caminho é este mesmo? Tem certeza de que é assim que poderei desfrutar da presença de Deus e de Sua face? Acho que vou perguntar para outra pessoa. Moisés, você já esteve lá, diga-me!"

"Disse o Senhor a Moisés: Farei também isto que disseste; porque achaste graça aos meus olhos, e eu te conheço pelo teu nome. Então ele disse: Rogo-te que me mostres a tua glória. [Respondeu-lhe:] Não me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a minha face, e viverá."

(Êxodo 33.17,18,20)

Quando Moisés pediu que Deus lhe mostrasse Sua glória, o Senhor lhe avisou que nenhum homem poderia vê-Lo e viver. E esta verdade permanece. Somente os que morrem podem ver a Deus. Existe uma estreita relação entre a glória de Deus e a nossa morte. Quando insistiu em seu pedido, dizendo: "Eu quero, preciso ver", Moisés já tinha em mãos o esboço do tabernáculo. Ele foi o homem escolhido por Deus para receber os detalhes arquitetônicos do modelo de salvação pré-Calvário, que veio antes do plano definitivo para resgate do homem. Provavelmente, Moisés olhou para o tabernáculo, para a lei, e pensou: "Isso deve ser uma espécie de modelo daquilo que Deus ainda vai fazer. E só um protótipo, uma sombra. Ainda não é isto." Creio que ele sabia que os móveis e utensílios do tabernáculo tinham um significado simbólico. A obra que começou era grande demais para ser concluída em uma geração. Por isso, Moisés queria ver o produto final, e pediu: "Mostre-me Sua glória." O Senhor respondeu: "Você não pode vê-La, só os que morrem podem ver Minha face."

É por isso que gosto de ler a respeito de visionários intercessores como Aimee Semple McPherson e William Seymour que costumavam passar noites inteiras com a cabeça sobre uma caixa de maçã intercedendo e orando para que a glória de Deus se manifestasse. Creio que, quando intercessores se levantarem no meio do povo de Deus para clamar por Sua presença, chegará o tempo em que o Senhor finalmente dirá: "É isto. Não vou esperar mais. Já está na hora!"

Foi isto que aconteceu na Argentina em 1950. Um homem chamado Edward Miller escreveu o livro "Cry for me, Argentina" (Chore por mim, Argentina), no qual ele descreve as origens do avivamento argentino – cuja finalidade era abalar a América do Sul e o mundo. O Sr. Miller está na casa dos 80 anos hoje, e, por mais de quatro décadas, foi um dos poucos missionários pentecostais, comprometidos com o evangelho pleno, atuantes na Argentina. Ele conta como 50 alunos do Instituto Bíblico Argentino, à época dirigido por ele, começaram a orar e experimentaram a presença e ação do Senhor. As aulas tiveram que ser suspensas, tamanho o comprometimento daqueles jovens com a intercessão por seu país, a Argentina. Diariamente, durante 49 dias seguidos, eles oraram e intercederam por sua Nação. O país era um deserto espiritual naquele tempo. O Sr. Miller conhecera somente 600 crentes cheios do Espírito, em todo o país, durante os anos de governo de Juan Perón. Ele me disse que nunca vira tantas pessoas chorando e clamando, por tanto tempo, daquela maneira. As origens e propósitos daquele clamor só podiam ser espirituais.

A verdade é que não sabemos muito sobre intercessão nos dias de hoje. Para muitos, interceder significa ficar repreendendo o inimigo, mas não é disso que precisamos: só precisamos que o "Pai" se manifeste.

Livro: Os caçadores de Deus (trecho)

Cadu
Siga-me

Cadu

Nossos dias são cheios de desafios que, se aproveitados, transformam-se em oportunidades relevantes para obtermos resultados. Tecnólogo, Jurista, Teólogo e SEO do Multiplicador de Conhecimento.
Cadu
Siga-me
  • É um ponto de vista muito interessante, pois, quando buscamos a glória de Deus estamos clamando nada mais nada menos do que a sua volta!