Recuo do mar no Brasil e Uruguai. Apenas um fenômeno natural ou um “timing”, fatores dos tempos finais?

No Brasil e Uruguai nos mês de Agosto de 2017 foi visto, fotografado e filmado por muitos, um recuo de até 50 metros. Algo nunca presenciado; apenas um fenômeno, ou um “timing” dos tempos finais?

Revistas e jornais pelo mundo a fora noticiaram tamanho fenômeno.  É de salientar que vivemos tempos onde o planeta Terra pede socorro. Mas alguns fenômenos chamam atenção pela magnitude, e pelos sucessivos acontecimentos mundo a fora.

A revista veja publicou matéria explicando os fatos:

“As praias do litoral sul do Brasil amanheceram com as águas extremamente recuadas no início desta semana. Em alguns locais de Santa Catarina, o recuo do mar foi de até 50 metros, o que fez com que, em pontos do sul do estado, embarcações encalhassem. Em Itajaí, estima-se que o prejuízo tenha chegado a 700.000 reais. Em Caraguatatuba, em São Paulo, os barcos também ficaram na areia. O fenômeno, impulsionado por fortes ventos que empurram as ondas em direção a alto- mar, é comum – mas raramente é tão intenso.

“Costumamos observar recuos do mar de 10 ou, no máximo, 20 metros. Os eventos deste fim de semana foram entre duas e cinco vezes maiores que o normal”, explica Joseph Harari, professor do Departamento de Oceanografia Física, Química e Geológica da Universidade de São Paulo (USP). “Dessa vez, tivemos a persistência por vários dias de ventos fortes que carregaram as águas para longe das praias – foi um evento meteorológico de grande escala que se refletiu em um fenômeno também de grande magnitude no oceano.”

Segundo o especialista, os ventos fortes – que em alguns pontos do litoral chegaram a 80 quilômetros por hora – são resultado de um sistema de alta pressão no Atlântico Sul. Os ventos, vindos do Nordeste e soprando em paralelo à costa brasileira, empurraram as águas para sudoeste. Junto a isso, a fase cheia da Lua dos últimos dias intensificou a maré baixa.”

Recuo do mar em Itajaí - SC

Praia de Itajaí, em Santa Catarina, nesta segunda-feira. (Wagner Cardoso/Fotos Públicas)

“Quando temos esses ventos vindos da direção norte paralelos ao litoral, soprando persistentes e com forte intensidade, a água do mar acaba sendo ‘empilhada’: recuo das águas”, explica Bianca Lobo, meteorologista do Climatempo.

No Uruguai vemos os mesmos acontecimentos com intensidades muito parecidas.

Segundo matéria do jornal Elonce Internacional :

“Um downspout mar importante e único afeta as costas do Uruguai na sexta-feira. O fenômeno é regido apenas como um alerta laranja para ventos fortes Montevidéu, Canelones, Maldonado, Rocha e Lavalleja.
No porto de Punta del Este fenómeno observado intensidade porque dúzias de barcos e iates cadeia na areia. O mesmo acontece no porto de Montevidéu, especialmente no Puertito de mergulho, onde havia barcos Pescadores Artesanais que também encalhou.

Downspout em Montevidéu. (O observador).

Este fenômeno é devido aos ventos fortes vindos do norte, o que torna para uma retirada de água nas costas do sul. Ventos são esperados para girar sábado cerca de 15 horas, explicou ao The Observer Gastón Jaunsolo, porta-voz da Marinha.
Intendência de Maldonado emitiu uma declaração em que ele relatou a trabalhar na Playa Mansa Punta del Este para remover detritos e restos de materiais foram expostos como resultado de marés baixas.

Downspout em Punta del Este. (O país).

Como disse a porta-voz do El Pais Marinha, Gastón Jaunsolo, é porque “quando os ventos predominantemente de norte, o efeito ocorre.
O fenômeno é” natural e normal “no Uruguai e manterá pelo menos “amanhã ao meio-dia , ” porque eles continuam “as previsões de vento (a) ao norte.”

Downspout em Montevidéu. (O observador). 

“Assim como quando há temporário com um vento sul é as águas subir o nível e bateu contra o barranco, quando norther o efeito oposto ocorre: a água recua um pouco e agarrar produzir esses algerozes”, disse.
Amanhã, depois do meio-dia “está programado sul rotação”, que fará com que “o nível de água volta ao normal.” Fonte: (The Observer País?) .”

Fenômeno natural ou sinais do fim dos tempos?

Alguns blogs e artigos escrito por diversas etnias e crenças veem o fato como algo não apenas natural. Algo que nos mostre uma influência exterior, de uma força divina capaz de fazer algo além do que a própria natureza seria capaz. Para o simples fato de alertar o mundo sobre futuros acontecimentos.

Será que estamos diante de um “timing”? Veja a definição:

1. tempo determinado para a realização de determinada coisa ou atividadeprazo
2. coordenação e fixação do tempo adequado para uma ação ou atividadecalendarização
3. oportunidadeocasião

Algumas profecias bíblicas citam as questões dos mares, não como um fato isolado, mais entre tantos rumores de guerras e acontecimentos que mostram o esfriamento do ser humano que está perto do fim.

Amós 5: 8 
Ele fez as Plêiades e Orion; Ele transforma a sombra da morte em manhã e faz o dia escurecer como a noite; Ele pede as águas do mar e as derrama sobre a face da terra; O Senhor é o nome dele.

Um acontecimento como tal visto, um efeito tão gigante e generalizado para o oceano e sem precedentes! Em relação ao presente que move uma influência na Terra, assim como para acontecimentos futuros.

Gostaria de deixar algumas dicas de leitura, caso queira se aprofundar na Teologia que aplica os acontecimentos futuros, conhecido como “revelação” ou apocalipse.

Quer receber estudos Vips primeiro que todo mundo? Preencha o campo abaixo e seja um Multiplicador de Conhecimento.

 

Cadu
Siga-me

Cadu

Nossos dias são cheios de desafios que, se aproveitados, transformam-se em oportunidades relevantes para obtermos resultados. Tecnólogo, Jurista, Teólogo e SEO do Multiplicador de Conhecimento.
Cadu
Siga-me
8 Compart.
Compartilhar6
Twittar
Compartilhar
+12