Reinado de Davi: do Templo até sua morte

encrypted A trajetória do reinado de Davi sempre teve seus altos e baixos, vamos analisar a partir de I Cr 22, onde vemos tempos gloriosos em Israel, e princípios a serem aplicados hoje.
Em ocasião do terrível juízo infligido a Israel pelo pecado de Davi, Deus indicou onde queria que se edificasse o templo, pelo qual Davi se entusiasmou fazendo preparativos para a grande obra. Davi não edificaria, mas faria tudo o que puder; fez abundantes preparativos antes de morrer. O que nossas mãos achem para fazer por Deus e nossas almas, e pelos que nos rodeiam, façamo-lo com toda nossa força antes de morrer, porque depois da morte não há ciência nem obra. E quando o Senhor recusar ocupar-se nos serviços que desejamos, não devemos desanimar-nos nem permanecer ociosos, senão fazer o que possamos, ainda que numa esfera mais humilde.

Versículos 6-16

Davi dá a Salomão a razão pela qual ele deverá edificar o templo: porque Deus o nomeou a ele. Nada é mais forte para comprometer-nos em qualquer serviço para Deus que saber que temos sido nomeados para isso. Ele teria tempo livre e oportunidade para fazê-lo. teria paz e tranqüilidade. Quando dá repouso, Deus espera que trabalhemos. Deus tinha prometido estabelecer seu reino. As promessas bondosas de Deus devem avivar e fortalecer nosso serviço religioso.

Davi entregou a Salomão uma conta dos vastos preparativos que ele tinha feito para esta construção; nem por orgulho e vanglória, senão para animar a Salomão a comprometer-se de boa vontade na grande obra. Não deve pensar-se que por edificar o templo se compra uma dispensa para pecar; ao contrário, sua obra não seria aceita se não cuidasse de cumprir os estatutos de Deus. em nossa obra espiritual e em nossa guerra espiritual necessitamos valor e decisão.

Versículos 17-19

Todo o que se faça, em geral, para que a Palavra de Deus seja conhecida e atendida, equivale a levar uma pedra ou um lingote de ouro para erigir um templo. Isto deve animar-nos quando nos lamentamos por não ver mais fruto de suas lavouras; depois de nossa morte pode surgir muito bem no qual nunca pensamos. Então, não nos cansemos de fazer o bem.

A obra está nas mãos do Príncipe de paz. Como a Ele, Autor e Consumador da obra, lhe aprouver empregar-nos como instrumentos seus, levantemo-nos e façamos, animando-nos e ajudando-nos mutuamente; obrando conforme a Seu governo, segundo Seu exemplo, dependendo de Sua graça, seguros de que Ele estará conosco, e que nosso trabalho no Senhor não será em vão.

CAPÍTULO 23

• Versículos 1-23 Davi nomeia a Salomão como seu sucessor

• Versículos 24-32 O ofício dos levitas

Versículos 1-23

Tendo sido encarregados da edificação do templo, Davi estabelece o método para o serviço do templo e ordena seus oficiais. Quando os da mesma família servem juntos, corresponde que se amem e se assistam mutuamente.

Versículos 24-32

Agora o povo de Israel era tão numeroso que devia haver muito mais pessoal no serviço do templo para que todo israelita que trouxesse uma oferta pudesse achar a um levita pronto para servi-lo. quando há mais obra para fazer, é uma pena que não haja mais trabalhadores. O novo coração, a mente espiritual e que tem grande deleite nos mandamentos de Deus e que pode achar uma festa renovadora em Suas ordenanças, constrói a grande diferença entre o cristão verdadeiro e todos os outros homens do mundo. Todo serviço será satisfatório para o homem espiritual. este sempre abundará na obra do Senhor; não sendo nunca tão feliz como quando está empregado para um Amo tão bom num serviço tão grato. Não considerará se for chamado a dirigir ou a encarregar-se dos outros que estão colocados acima dele. Que nós busquemos e sirvamos retamente o Senhor e deixemos todo o resto a sua disposição, pela fé em Sua palavra.

CAPÍTULO 24

As divisões dos sacerdotes e levitas

Quando cada um te, conhece e mantém seu lugar a trabalho, quantos mais sejam, melhor será. No corpo místico de Cristo cada membro tem sua função para proveito de todos. Cristo é o Sumo Sacerdote sobre a casa de Deus, ao qual estão sujeitos todos os crentes feitos sacerdotes. Em Cristo não há diferença entre escravo e livre, ancião e jovem. Os irmãos mais novos, se forem fiéis e sinceros, não serão menos aceitáveis para Cristo que os pais. Que todos sejamos filhos do Senhor, preparados para cantar seus louvores por sempre em seu templo celestial.

CAPÍTULO 25

Os cantores e os músicos

Davi organizou os que foram nomeados para cantores e músicos do templo. Profetizar neste lugar significa louvar a Deus com grande fervor e afeto devotado, sob a influência do Espírito Santo. Se utilizava música e poesia para provocar afetos. Se o Espírito de Deus não coloca vida e fervor em nossas devoções, por ordenadas que sejam serão uma forma inanimada e indigna.

CAPÍTULO 26

Os ofícios dos levitas

Os porteiros e tesoureiros do templo tinham a ocasião de usar de força e valor para opor-se aos que tentavam entrar no santuário em má forma, e para custodiar os tesouros sagrados. Muito se gastava diariamente no altar: farinha, vinho, azeite, sal, combustível, além das lâmpadas; dispunha-se antecipadamente das boas quantidades desses elementos, além das roupagens e utensílios sagrados. Estes eram os tesouros da casa de Deus. estes tesouros tipificavam a abundância que há na casa de nosso Pai celestial, suficiente e para guardar. Todas nossas necessidades são satisfeitas com os tesouros sagrados, as inescrutáveis riquezas de Cristo; ao receber de Sua plenitude, devemos dar a Ele a glória e dispor de nossas habilidades e de nossa substância conforme a Sua vontade.

Temos uma relação dos empregados como oficiais e juízes. A magistratura é uma ordenança de Deus para bem da igreja, tão verdadeiramente como o ministério, e não deve ser descuidada. Nenhum dos levitas que foram empregados no serviço do santuário, nenhum dos cantores ou porteiros, se ocupou num assunto externo; um dever era suficiente para comprometer por completo o homem. Para cada ofício são úteis e se requer sabedoria, valor, fé firme, afetos santos e decisão constante para cumprir nosso dever.

CAPÍTULO 27

• Versículos 1-15 A força militar de Davi

• Versículos 16-34 Príncipes e oficiais

Versículos 1-15

Nos reinos deste mundo a prontidão para a guerra assegura a paz; em forma semelhante, nada anima tanto os ataques de Satanás como estar descuidado. Na medida em que estejamos armados com toda a armadura de Deus, no exercício de nossa fé e preparação do coração, certamente estaremos a salvo, e provavelmente desfrutemos de paz interior.

Versículos 16-34

Os oficiais da corte, ou os administradores da fortuna do rei, tinham a seu cargo a supervisão e o cuidado da lavoura, os vinhedos, as manadas e os rebanhos do rei, coisas que constituíam a riqueza dos reis orientais. Grande parte da sabedoria dos príncipes se aprecia na eleição de seu gabinete, e as pessoas comuns a demonstram em sua eleição de conselheiros. Embora Davi tinha tudo isso, preferia a Palavra de Deus a todos. Teus testemunhos são meu deleite e meus conselheiros.

CAPÍTULO 28

• Versículos 1-10 Davi exorta o povo ao temor do Senhor

• Versículos 11-21 Ele dá instruções para o templo

Versículos 1-10

Durante a última doença de Davi havia muitos sumos sacerdotes e levitas em Jerusalém. Achando-se capaz, Davi falou de seu propósito de edificar um templo para Deus, e que Deus tinha desautorizado este propósito. Falou-lhes dos bondosos propósitos de Deus acerca de Salomão. Davi lhes encarregou que se aferrassem constantemente a Deus e seu dever. Não podemos realizar nossa obra como devemos, se não nos decidimos a buscar fortaleza na graça divina.

A religião ou a piedade tem duas partes distintas. A primeira é o conhecimento de Deus, a segunda é a adoração de Deus. Davi diz: conhece o Deus de teu pai e serve-o com coração perfeito e vontade disposta. Deus se dá a conhecer por suas obras e sua Palavra. A só revelação mostra todo o caráter de Deus em sua providência, sua santa lei, sua condenação dos pecadores, seu bendito evangelho e a ministração do Espírito a todos os crentes verdadeiros. O homem natural não pode receber este conhecimento de Deus, porém, assim aprendemos a valorizar a expiação do Salvador e a santificação do Espírito de Deus, e somos influenciados para andar em todos seus mandamentos. Leva ao pecador a seu lugar apropriado ao pé da cruz, como coitado verme, culpável e necessitado, que merece a ira, porém que espera todo o necessário da misericórdia e graça gratuitas de nosso Pai Deus e do Senhor Jesus Cristo. Como muito lhe foi perdoado, o pecador perdoado aprende a amar muito.

Versículos 11-21

O templo deve ser coisa sagrada, e tipo de Cristo; deve estar enquadrado no ensinamento divino. Cristo é o templo verdadeiro, a igreja é o templo do evangelho e o céu é o templo eterno; todos estão dentro do marco dos conselhos divinos e do plano estabelecido na sabedoria divina, ordenada diante do mundo, para a glória de Deus e para nosso bem.

Davi sentou este padrão para Salomão, para que este pudesse andar conforme ao mandado. São subministrados materiais para os utensílios mais caros do templo. São dadas instruções acerca de onde buscar ajuda para esta grande empresa. Não desfaleças: Deus te ajudará e tu deves olhar para Ele primeiramente. Podemos estar seguros de que Deus, que reconheceu a nossos pais e os levou pelos serviços de sua época, de igual forma nunca nos deixará enquanto tiver alguma obra que realizar em nós ou por nosso meio. Provavelmente prossiga a boa obra quando todos os comprometidos estejam dispostos a fazê-la avançar. Esperemos nosso Senhor misericórdia de Deus; se o buscarmos, o acharemos.

CAPÍTULO 29

• Versículos 1-9 Davi convida a príncipes e ao povo que ofereçam de boa

vontade

• Versículos 10-19 Sua ação de graças e oração

• Versículos 20-25 Salomão ascende ao trono

• Versículos 26-30 O reino e a morte de Davi

Versículos 1-9

O que seja feito em obras de obras de piedade e caridade deve realizar-se voluntariamente e não por obrigação, porque Deus ama o doador alegre. Davi deu um bom exemplo. Davi ofereceu, não por obrigação nem para exibir-se, senão porque tinha colocado seu afeto na casa de Deus e pensava que nunca faria bastante para fomentar essa boa obra. Os que desejam atrair a outros ao bem, devem ir adiante eles mesmos.

Versículos 10-19

Não podemos formar-nos uma idéia correta da magnificência do templo e dos edifícios que o rodeavam, nos quais se usaram tais quantidades de ouro e prata. Mas as inescrutáveis riquezas de Cristo excedem o esplendor do templo, infinitamente mais do que aquele superava a barraca mais pobre da terra. Em lugar de jactar-se de óbolos tão grandes, Davi agradeceu solenemente a Deus. todo o que eles deram para o templo do Senhor, era dEle; se eles tentassem retê-lo, a morte os teria eliminado prontamente. O único uso que podiam fazer disso, para seu benefício real, era consagrá-lo ao serviço dAquele que o dera.

Versículos 20-25

Esta grande assembléia se uniu a Davi para adorar a Deus. Qualquer que seja a boca da consagração, os que se unam a ela somente se beneficiam, não tanto por inclinar a cabeça, como por elevar a alma.

Salomão se assentou no trono do Senhor. O reinado de Salomão tipifica o reinado do Messias, cujo trono é o trono do Senhor.

Versículos 26-30

Quando limos o segundo livro de Samuel, escassamente podíamos esperar que Davi aparecesse tão ilustre em sua cena final. Porém, seu arrependimento tinha sido tão notável como seu pecado; e sua conduta durante suas aflições, e para o final de sua vida, parece ter tido um bom efeito em seus súbditos. Bendito seja Deus, porque até o principal dos pecadores pode esperar uma partida gloriosa quando é levado ao arrependimento, e foge a refugiar-se no sangue expiatório do Salvador. Marquemos a diferença entre o espírito e o caráter do homem que era conforme ao coração de Deus, na vida e na morte, e os dos professantes indignos que se lhe parecem somente em seus pecados, e que tratam perversamente de justificar seus crimes pelos pecado daquele. Vigiemos e oremos, para que não sejamos vencidos pela tentação, e tomados pelo pecado para a desonra de Deus e prejuízo de nossa consciência. Quando sintamos que temos ofendido, sigamos o exemplo do arrependimento e da paciência de Davi, à espera de uma ressurreição gloriosa por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Por Matheu Henry

Cadu
Siga-me

Cadu

Nossos dias são cheios de desafios que, se aproveitados, transformam-se em oportunidades relevantes para obtermos resultados. Tecnólogo, Jurista, Teólogo e SEO do Multiplicador de Conhecimento.
Cadu
Siga-me
0 Compart.
Compartilhar
Twittar
Compartilhar
+1